FRASES DO DIA

Abrace o novo dia com a força e determinação do guerreiro que luta para conquistar a vitória mais importante da sua vida.

Nunca é cedo demais para dizer “preciso de você” assim como nunca é tarde demais para dizer “me perdoe”. Tenha um ótimo dia!

TABELA DO BRASILEIRÃO 2014

Postado por Conheça meu perfil On 11:27 0 comentários

Reações:  

Reações:  

Oportunidade de emprego

Postado por Conheça meu perfil On 11:03 0 comentários


Reações:  
Durante o "BBB 9", Francine Piaia e Max Porto formaram um casal adorado pelos fãs. A paixão entre eles foi tanta que após o programa os dois chegaram a morar juntos em um apartamento na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Mas o casamento só durou três meses.
Durante o ensaio para o Paparazzo que vai ao ar nesta sexta-feira, 17, Francine relembrou o passado e falou sobre o fim do relacionamento com Max, em julho de 2009. “Não foi o homem que mais gostei na minha vida, mas foi o homem por quem mais sofri na separação. Acho que isso aconteceu por estar tudo englobado: eu ter saído do 'BBB', estar longe da minha família (a mãe de Francine mora no Rio Grande do Sul) e estar com a imprensa toda atrás de mim. Fiquei muito triste, supertriste”, disse ela, que manteve a amizade com o ex.
Francine lembra que na época quase enfrentou uma depressão. “Superei com o tempo. A tristeza tem que ser vivida no momento. Tem que chorar na hora que tem que chorar porque depois vai passar. Se a gente guardar a dor é pior. Na época do fim do nosso namoro eu ficava em casa, na minha".
Francine disse que com o tempo foi constatando que a personalidade de Max não a agradava e o que a levou a se envolver com ele foi o calor do reality show. “Foi a empolgação do programa que me levou ao Max. Com certeza. Aliás, total certeza disso. Não tenho um tipo de homem na verdade. Namorei com todos os tipos. O jeito do Max, depois que o conheci melhor, não me agradou. Mas ele é uma boa pessoa. O que foi vivido tem que ser vivido. Não me arrependo de nada. Ele foi um grande companheiro meu no 'BBB'. Foi muito bom, não tenho do que reclamar”.

Reações:  
Além de confessar participação na sequência de mortes de mulheres emGoiânia, o vigilante Thiago Henrique Gomes da Rocha, de 26 anos, preso pela Polícia Civil, afirmou em depoimento aos policias, nesta quarta-feira (15), que teve envolvimento em 39 assassinatos na capital. Segundo o secretário de Segurança Pública Joaquim Mesquita, o homem confessou autoria em oito dos 15 casos de crimes contra mulheres investigados por uma força-tarefa da corporação que há dois meses apurava os homicídios.
Uma fonte interna da Polícia Civil confirmou ao G1 que dentre os oito crimes, estão as mortes da dona de casa Lílian Sissi Mesquita e Silva, de 28 anos, em 3 de fevereiro, Janaína Nicácio de Souza, de 25 anos, e Bruna Gleycielle de Sousa Gonçalves, 26 anos, ambas mortas em 8 de maio, e Ana Lídia de Souza, 14 anos, assassinada em 2 de agosto. 
Ao contrário do divulgado pela polícia no início das investigações, o delegado geral da Polícia Civil João Gorksi afirmou, nesta manhã, que se trata de um caso de assassino em série. "Eu acredito que é um serial killer. No começo ele matava aleatoriamente, no fim ele estabeleceu um padrão", afirmou. De acordo com a polícia, dentre os demais crimes cometidos pelo homem estão mortes de moradores de rua e homossexuais. Os outros homicídios de mulheres não assumidos pelo homem continuarão sendo investigados.
A polícia afirma que há cerca de um mês as investigações já apontavam para o suspeito como autor dos crimes, mas ele só foi preso na terça-feira (14), na Avenida Castelo Branco, na capital. Com o suspeito foi apreendida uma motocicleta. Na residência dele também foi apreendido um revólver calibre 38. A polícia não informa a quantidade de material apreendido nem suas características. O homem está detido na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios.
O advogado do suspeito, Thiago Huascar, disse que não tinha como se pronunciar sobre o caso, pois só teve acesso à procuração nesta manhã. “Vou aguardar os andamentos e ver o que está sendo a acusação contra ele”, informou o advogado.

Reações:  

Baladas, ausências em treinos, queda de rendimento, jejum de gols. Os últimos meses do atacante  no Atlético-MG têm preocupado a diretoria do clube, a torcida, os companheiros de time e até o pai do jogador. Dario de Assis, 59 anos, que já atuou profissionalmente e começou a carreira no Corinthians, assim como o filho, revelou ao GloboEsporte.com trechos das conversas que vem mantendo com o camisa 7 do Galo desde que ele faltou a treinos pela segunda vez neste ano. Por telefone, de São Paulo, ele disse temer que a carreira de Jô termine como a de Adriano Imperador, também conhecido por problemas disciplinares.
O atacante disse ao pai que vai voltar aos treinos esta semana. Aos jogos também, mas não deverá ser no sábado, quando o Galo recebe a Chapecoense no Independência. Multado pela diretoria, Jô fica no clube até o fim do ano.
- Ele vai ficar até dezembro e depois será negociado. Não tem nenhum clube, a princípio, em vista. Estou preocupado. E disse a ele para tomar cuidado, senão daqui a pouco a carreira dele vai ficar igual à do Adriano - afirmou o pai do atacante.
Dario de Assis garante que, pelo que conversou com o filho, Jô fica no Atlético-MG até o fim do ano, para ser negociado no início de 2015. Deve treinar em separado e dificilmente ficará à disposição para o jogo de sábado com a Chapecoense.
- O que ele fez, não estou passando a mão na cabeça e nem digo que ele está certo. Não foi primeira vez que ele fez isso. E espero que não aconteça de novo. Ele deve muito ao Atlético-MG. O clube e a torcida não merecem isso - avaliou Dario de Assis.
O pai do atacante confirmou que Jô está passando por problemas familiares. Mas não quis confirmar se ele estaria se separando da mulher.
- Conversamos eu, minha esposa e as irmãs, por telefone e por mensagem. Ele chorou, pediu desculpa. Saio na rua e morro de vergonha, ele é uma pessoa pública. Eu moro perto do Corinthians, onde ele começou a carreira, e todo mundo me conhece. Todos me perguntam o que está acontecendo. Ele tem 27 anos, e não posso seguir todos os passos dele. Ele é casado, tem família, tem responsabilidade em casa, mas faltou no trabalho - contou Dario.

Reações:  
Depois de dois meses de queda, as vendas do comércio varejista brasileiro voltaram a crescer  e registraram avanço de 1,1% em agosto, na comparação com o mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa é a mais alta desde julho de 2013, quando o aumento foi de 2,6%.
No ano, de janeiro a agosto, o varejo aponta alta de de 2,9% e, em 12 meses, de 3,6%. Já na comparação com agosto do ano passado, o comércio mostrou queda de 1,1%.
Entre os ramos de comércio analisados pelo IBGE, tiveram os maiores aumentos em relação a julho os de equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (7,5%); tecidos, vestuário e calçados (3,2%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (2,5%), entre outros.
“Destaque equipamentos e materiais de escritório. Geralmente nos meses de volta às aulas temos esse indicador com pico mais alto. E se você vir em janeiro, a mesma coisa acontece. Então, a explicação é a volta às aulas e a corrida para a compra de materiais. Pelos históricos dos indicadores, sempre nos meses de volta às aulas tem aumento maior nessa atividade”, disse Juliana Vasconcellos, gerente da coordenação de serviços e comércio do IBGE.
Já na análise frente a agosto do ano passado, a maioria dos tipos de comércio mostrou queda, entre eles: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,7%), que exerceu o principal impacto negativo na taxa global.

"Esta atividade teve seu desempenho influenciado pelo menor ritmo de crescimento da renda e pelo comportamento dos preços dos alimentos, que cresceram acima do índice geral no período de 12 meses: 7,5% no grupo alimentação no domicílio, contra 6,5% da inflação global, segundo IPCA. As taxas acumuladas foram: 2,4% para os oito primeiros meses do ano e 2,6% para os últimos 12 meses", diz o IBGE, em nota.
De acordo com a gerente do IBGE, o setor que também ajudou a puxar o desempenho para baixo foi o de veículos. "Você já vinha na margem de recuperação no mês passado, mas quando você compara com 2013, você vem com uma queda em todos os meses. É um setor que já vem com incentivo do governo há muito tempo, então, as famílias agora com cenário de conjuntura com crescimento menos intenso da economia, você tem lá diminuição do ritmo do credito, uma redução no consumo desse bem duráveis que são os veículos.”
Na sequência, entre as quedas estão as de móveis e eletrodomésticos (-7,5%); tecidos, vestuário e calçados (-1,2%); livros, jornais, revistas e papelaria (-8,9%); e equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-6,8%).
"A atividade de móveis e eletrodomésticos foi responsável pela segunda maior participação negativa no índice geral. Essa variação foi impactada pelo menor ritmo de crescimento do crédito com recursos livres. Cabe ressaltar que as altas de preços dos principais produtos que compõe esta atividade se encontram acima da inflação. Em termos acumulados, os resultados foram: 1,5% para os oito primeiros meses do ano e 2,6% para os últimos 12 meses", afirma o IBGE, em nota.
Entre os resultados positivos estão os desempenhos de combustíveis e lubrificantes (0,1%); outros artigos de uso pessoal e doméstico (4,4%); e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (7,1%).
“A gente vê que 2014 desde março vem com queda a média móvel. Então, a gente pode dizer que não está sendo um ano favorável, a renda crescendo menos, a diminuição do ritmo do crédito, as famílias com expectativa de desaceleração do consumo, e agora uma possível crise internacional, temos que esperar para ver como vai ficar”, analisou a especialista.
Queda em Santa Catarina
Na análise do comércio nos estados, a maioria mostrou queda em relação a agosto de 2013, com destaque para Santa Catarina (-5,1%); Espírito Santo (-4,5%); e Goiás (-4,2%). Na outra ponta, estão Acre, onde o comércio cresceu 19%, e Rondônia, que indicou alta de 10%. Em Roraima, o avanço foi de 8,1%.
Frente a julho, quase todos os estados registraram avanço. As maiores taxas partiram de Piauí (4,7%); Rondônia (4,6%); Paraíba (3,8%); Maranhão (3,4%); e Acre (3,1%).

Reações:  

VÍDEO DA SEMANA