FRASES DO DIA

Abrace o novo dia com a força e determinação do guerreiro que luta para conquistar a vitória mais importante da sua vida.

Nunca é cedo demais para dizer “preciso de você” assim como nunca é tarde demais para dizer “me perdoe”. Tenha um ótimo dia!

Será que ele tá?

Postado por Conheça meu perfil On 04:21

Atestado de óbito do travesti do caso Ronaldo indica Aids


O atestado de óbito do travesti Andréia Albertini, de 22 anos, que morreu na quinta-feira (09) em um hospital em Mauá, no ABC, em São Paulo, indica como causa da morte “coma neurotoxiplasmose síndrome imunodeficiência adquirida”. A dona-de-casa Sônia Maria Ribeiro, de 49 anos, mãe da travesti, disse não querer que o filho seja lembrado pela Aids.


O corpo do travesti, que se chamava André Luiz Ribeiro Albertini, foi enterrado por volta das 10h15 desta sexta-feira (10) no Cemitério Santa Lídia, em Mauá. Ela ficou conhecida após se envolver em um escândalo com o jogador de futebol Ronaldo em abril de 2008. Poucos parentes e amigos acompanharam o enterro, após toda a madrugada de velório.


Travesti Andréia Albertini, morreu na quinta (09)


As condições de saúde de Albertini foram descobertas depois que a dona do flat onde morava, estranhou o confinamento do travesti, que não saía há dias, e resolveu arrombar a porta. Segundo a mãe, ela foi encontrada sentada no sofá, sem forças para se levantar ou comer. Com a ajuda do ex-marido, Sônia saiu de Mauá, onde mora, e foi até São Paulo. Ela relembra que trouxe Andréia para casa bastante debilitada e tentou levá-la para o hospital.


“Eu a trouxe no domingo (05). Na segunda (06), ela ficou em casa. Na terça (07), teve uma convulsão e eu levei para o hospital já em coma”, Ao chegar ao hospital, o médico disse que a situação de Albertini era delicada. “Ele me disse que, se sobrevivesse, ela ia ser um vegetal”, conta.


HomenagemA mãe lembra que Andréia era muito vaidosa. 'Eu acredito que ela ia ficar contente com a repercussão de sua morte, sinal de que ela não morreu no anonimato. Ia dizer: ‘O pessoal lembrou de mim’. Não deixa de ser uma homenagem, embora em uma situação terrível”, afirma a mãe, que se refere a Albertini como “ela” porque “era assim que ela gostava de ser chamada”. Segundo ela, Albertini se dava bem com os dois irmãos, um de 32 anos e outro de 14. “Ela jogava videogame com o mais novo. Os dois ficavam mexendo nos joguinhos do celular”, relembra a dona de casa.
Reações:  

0 Response to ' Será que ele tá? '

Postar um comentário

VÍDEO DA SEMANA